segunda-feira, 1 de julho de 2013

O (plano) piloto sumiu

Luis Fernando Veríssimo tinha uma série chamada "Poesia numa hora dessas?" e a ironia da pergunta se encaixa perfeitamente nesse momento de protestos e manifestações por todo o país. Essa aí debaixo escrevi um tempo atrás, mas está bem atual, embora sem muito estilo.


Vejo os belos traços de Brasília,
Mas ela é apenas uma ilha...
Tão linda e limpa Esplanada,
Mas pro resto não sobra nada

Tão certas que são as asas,
O lago e suas belas casas...
E nas suas linhas bem traçadas
Cretinos nadam de braçadas

Brasília, capital da esperança
Depois de tanta fome e andança
Quem chega em busca de um sonho
Acorda num Faroeste medonho

Mas quem vem pra passar quatro anos
Leva muito por debaixo dos panos:
CCs, padrinhos, indicações,
Desvios, esquemas, mensalões

E o que se vê lá no Congresso
é a marcha ré do progresso...
E não adianta se queixar,
Porque a Justiça está de recesso!

Ficha limpa é o escambau,
Tudo acaba em carnaval!
Quem sabe na próxima eleição
Apareça um menos ladrão...

Congresso tomado: quem sabe agora a coisa muda!


Nenhum comentário:

Postar um comentário